HOME SOBRE CONTATO ANUNCIE

Fase fálica, sim ela chegou aqui!

10.11.15

Olá pessoal,

Viemos falar de um assunto do interesse de todos nós pais: as benditas fases. Segue texto explicativo:

Reconhecida como um instinto que as pessoas nascem expressando-se de formas distintas de acordo com as fases do desenvolvimento que são: fase oral; fase anal; fase fálica e período de latência.

Na Fase oral de 0 a 1 ano a região do corpo com maior prazer na criança é a boca, onde entra em contato com o mundo. É por esta razão que a criança pequena tende a levar tudo o que pega à boca. O principal objeto de desejo nesta fase é o seio da mãe, que além de alimentar proporciona satisfação ao bebê. Fase anal de 2 a 4 anos, período que a criança passa a adquirir controle dos esfíncteres - a zona de maior satisfação é a região do anus; descobre que pode controlar as fezes que sai de seu interior, oferecendo-o à mãe ora como um presente, ora como algo agressivo. É aí que a criança começa a ter noção de higiene; fases de birras. 

Fase fálica de 4 a 6 anos - a atenção da criança volta-se para a região genital. Inicialmente a criança imagina que tanto os meninos quanto as meninas possuem um pênis e defrontadas com as diferenças anatômicas entre os sexos, as crianças criam as chamadas teorias sexuais infantis, imaginando que as meninas não tem pênis porque este órgão lhe foi arrancado (complexo de castração). É neste momento que a menina tem medo de perder o seu pênis. Surge aí o complexo de Édipo, em que o menino apresenta atração pela mãe e se rivaliza com o pai, e na menina ocorre o inverso. 

Fase de latência de 6 a 11 anos. Este período caracteriza-se pelo deslocamento da libido da sexualidade para atividades socialmente aceitas, ou seja, a criança passa a gastar sua energia em atividades sociais e escolares. 

Fase genital, a partir de 11 anos. Início da adolescência, há uma retomada dos impulsos sexuais, o adolescente passa a buscar, em pessoas fora de seu grupo familiar, um objeto de amor. Adolescência é um período de mudanças no qual o jovem tem que elaborar a perda da identidade infantil e dos pais da infância para que pouco a pouco possa assumir uma identidade adulta.

A fase oral foi bem tranquila, ele mamou até 18 meses. Com 2 anos tirou as fraldas e vai sozinho ao banheiro, então não temos do que reclamar.

Esta nova fase tem sido diferente. Matheus tem falado muito em bunda, cocô, perereca e acha tudo uma graça. Ele me questiona sobre eu ter perereca e ele pinto. Que os meninos tem pinto e as meninas perereca. E falamos normalmente sobre o assunto sem fazer disto um tabu ou deixá-lo constrangido. Acreditamos que a sensualização está na cabeça dos adultos e que as crianças falam com toda inocência. Não focamos no assunto, mas também não deixamos de respoder sua dúvidas, pois ele ser me diz: “mãe me explica”. Há muito aprendi que se diz a verdade do tamanho da criança e é o que praticamos aqui.

E aí na casa de vocês, qual a fase? Como tem sido? Contem para nós, queremos saber!

fase fálica cláudia bonfim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Odisséia Materna / Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design
Tecnologia do Blogger.