HOME SOBRE CONTATO ANUNCIE

Será que eu quero ser mãe?

26.9.16

Acho que toda mulher em algum momento de sua vida se faz essa pergunta.
Eu me fiz e várias vezes. E a resposta era diferente dependendo da situação que me encontrava.
Bem nova lembro que queria sim, imaginava meu casamento, apartamento e filhos. Aquelas ilusões de adolescente.
Quando fui morar sozinha, tinha 24 anos e inclusive achava que nunca teria ninguém porque me acho muito individualista, quase egoísta pensando sempre em mim. Nesta época não queria filho mesmo.
Mesmo quando comecei um relacionamento sério aos 25 anos, eu ainda preferia não ter filhos. Ele queria e por vezes conversamos sobre isso, falava pra ele procurar outra pessoa pois eu não pretendia ter e achava que seria melhor terminarmos.
Então em 2009 quando conheci minha sobrinha-afilhada o tal desejo de ser mãe veio com toda força. Mas isso conto em outro post. Maternidade é assunto que dá muito o que falar.
O que quero falar aqui é que respeito quem não deseja ter filhos e acho que ser mãe não é para todas mulheres. O motivo desta decisão cabe a cada uma e não vem ao caso.
A sociedade nos cobra tanto mas devemos levar em conta o que nos faz feliz e ter um filho somente porque é o que se espera é muito pior do que assumir que nunca quis.
O instinto materno não está em todas nós, mesmo nas que resolvem ter o filho, elas não conseguem sentir essa ligação única e sem explicação entre mãe e filho.
Numa conversa em sala de aula uns três anos atrás, surgiu papo de filhos e uma das minhas colegas disse que tinha muito medo de ficar com estrias por isso não tinha certeza ainda. Gente fiquei possessa e falei pra ela “então compra um cachorro, é mais barato e morre antes.”
Como disse não sou contra quem não quer e sim quem tem estas preocupações fúteis. Não quer filho não tenha. Chega de crianças sem amor por este mundo.
Pese prós e contras e pense se realmente é o que quer, se está preparada para tudo que mudará em sua vida. Não é apenas investimento de dinheiro ter um filho, é muito mais de amor e dedicação.
A decisão de ser mãe é uma mudança de vida radical e sem volta. Não é igual cabelo que raspa e cresce de novo.
Tudo que falo é com respeito as experiências que tenho. Convivo com pessoas que tem filhos e vejo que elas gostam deles, como se gosta dos parentes, aquele amor quase automático. E não o amor inimaginável que se sente por um filho, porque é esse que sinto, todos os dias e que só aumenta e me faz sorrir sozinha e chorar também.
Então se você está lendo e ainda está na dúvida, espere e não aja por pressão, não de bola se te chamarem de egoísta, seca, sem amor.
Que suas escolhas sejam suas e não dos que lhe cercam. Quem lhe ama lhe dará o apoio necessário que precisas.
Está na hora da sociedade evoluir e entender que somos pessoas diferentes umas das outras. Não queremos todas ser mães.

Beijinhos e boa semana!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Odisséia Materna / Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design
Tecnologia do Blogger.